domingo, 22 de maio de 2011


não. não te direi mais sobre as rotações que infliges no meu pescoço de modo a que os violinos rasguem a pele num sufoco, num sufoco constante que empalidece com os teus olhos, meu amor. sabes tão bem que as reticências em paris não têm lugar.

Sem comentários:

Enviar um comentário